Sicredi libera R$ 3,99 bilhões em crédito rural no RS, SC e MG

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 3,9 milhões de associados e atuação em 22 estados e Distrito Federal – liberou, de julho a outubro, no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Minas Gerais, um montante de R$ 3,99 bilhões em crédito rural entre custeio, comercialização, industrialização e investimento, sendo 22,06% a mais que o Ano Safra anterior (2017/18). “Pequenos e médios produtores rurais e agroindústrias familiares continuam sendo um dos principais públicos atendido pelo Sicredi, que correspondem a 63,48% das operações realizadas no RS, SC e MG”, explica Márcio Port, vice-presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste.

Os três estados (RS, SC e MG) correspondem a área de atuação da Central Sicredi Sul Sudeste que integra 43 cooperativas filiadas, e, hoje, respondem por 48,66% de toda a operação de crédito Rural do Sistema Sicredi no Brasil. Abrindo por operação, em investimentos a instituição financeira cooperativa concedeu R$ 546,75 milhões, sendo 79% superior a igual período da safra anterior. Já no custeio, o crescimento foi de 16,51% de um total aplicado de R$ 3,19 bilhões. E o restante, R$ 456 milhões, foi concedido para operações de comercialização e industrialização.

O resultado desses primeiros quatro meses do Ano Safra 2018/19 mostra a atuação pontual do Sicredi com o agronegócio e a credibilidade alcançada junto aos produtores associados. “Este cenário revigora a estratégia do Sicredi na busca de novas perspectivas e soluções a oferecer e mostra, também, que o associado está apostando na retomada da economia, pois estão investindo em seus negócios”, reflete Port.

Segundo o dirigente, a forte captação da carteira de Poupança, que no Sicredi tem o nobre objetivo de financiar o agronegócio, tem permitido que as cooperativas persigam a autossuficiência na concessão do crédito rural, ainda mais que, no Brasil. “Apenas 31% dos recursos da agricultura são financiados com juros controlados ou seja, recursos oficiais do governo”, ressalta o vice-presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste, Márcio Port.