Porto Alegre registra mais uma semana com queda na confirmação de casos de dengue

Último levantamento trouxe 44 novos casos autóctones; antes, foram 123

Mosquito Aedes Aegypti é o vetor da doença, que era considerada erradicada no Estado até 2020. Foto: Freepik/Reprodução

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) confirmou, nesta quinta-feira (23), que os casos de dengue seguem em queda em Porto Alegre. De acordo com o boletim de arboviroses da pasta, tanto as notificações suspeitas quanto os diagnósticos da doença foram menos proeminentes em relação ao balanço anterior.

O último levantamento trouxe 44 novos casos autóctones; antes, foram 123. Os dados estão sujeitos à revisão e incluem informação até 18 de junho. A baixa da temperatura registrada nas últimas semanas contribui com a diminuição da circulação do Aedes Aegypti, mosquito responsável pela disseminação do vírus que causa a dengue.

Neste ano, 4.767 casos foram investigados na cidade. Destes, 2.969 acabaram confirmados após exames laboratoriais, resultando em um índice de 62%. Apenas 105 são considerados importados – dado que indica que a infestação pelo inseto transmissor, em todas as regiões da cidade, foi a responsável pelo aumento em relação aos anos anteriores.

Ao todo, quatro moradores da Capital morreram em decorrência da doença em 2022. Em relação à chikungunya, foram notificadas seis suspeitas, das quais cinco foram descartadas e um caso, importado, foi confirmado. De zika, foram três notificações de suspeita, todas descartadas em exames laboratoriais.

Incidência

Embora haja confirmação de casos em toda a cidade, nove bairros concentram a maior parte dos casos de dengue em Porto Alegre: Jardim Carvalho, Bom Jesus, Partenon e Vila Nova. Atualmente, dois bairros da cidade de Porto Alegre estão em alerta de infestação de mosquitos, dois bairros com infestação moderada e 38 bairros com infestação baixa.