Caso de Covid-19 em tripulação de voo atrasa chegada de vacinas pediátricas ao RS

Nova previsão é de que o imunizante esteja em território gaúcho à tarde

Campanha entre pessoas de 5 a 11 anos terá início na próxima quarta-feira. Foto: Secretaria Estadual da Saúde/Divulgação

A confirmação de um caso de Covid-19 entre os tripulantes do voo que traria as vacinas pediátricas da Pfizer ao Rio Grande do Sul atrasou a chegada do imunizante. Inicialmente, previa-se que o lote já estivesse em território gaúcho na madrugada desta sexta-feira (14). Agora, tudo indica que o desembarque ocorrerá somente à tarde.

O traslado chegou a ser remarcado para o início da manhã – previsão que, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (SES), não se confirmou. As 59 mil doses dedicadas à imunização infantil no Rio Grande do Sul serão carregadas no voo LA4632, da Latam, que tem pouso previsto para as 13h15min no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre.

A campanha terá início somente na próxima quarta-feira (19). Isso porque, antes de distribuir as vacinas aos municípios, o Piratini fará a verificação do lote e a definição do plano logístico que levará as ampolas aos 497 municípios gaúchos. O detalhamento da estratégia ainda não foi divulgado pelo Governo Estadual.

As crianças com comorbidades e deficiências permanentes serão priorizadas. Ao todo, 96,4 mil gaúchos entre 5 e 11 anos são portadores de doenças como hipertensão, diabetes ou asma. Os pontos de vacinação não vão exigir receita médica para a aplicação da vacina – que dependerá apenas da apresentação de documento.

Salas lúdicas

Os locais onde ocorrerá a vacinação infantil contra a Covid-19 não serão os mesmos da imunização dos adultos. A ideia da SES é proporcionar referências lúdicas para os pequenos, por meio de uma decoração diferenciada. A tendência é de que cada criança tenha de permanecer no local por cerca de 20 minutos.

Em Porto Alegre, sete unidades serão habilitadas a receber o público: Unidade de Saúde Chácara da Fumaça; Centro de Saúde IAPI; Clínica da Família José Mauro Ceratti Lopes; Unidade de Saúde Moab Caldas; Unidade de Saúde Nova Brasília; Unidade de Saúde Santa Marta e Unidade de Saúde Santo Alfredo.

Dosagem menor e frasco diferenciado

Conforme o Ministério da Saúde, duas doses devem ser suficientes para completar o esquema vacinal das crianças de 5 a 11 anos. As aplicações vão acontecer com intervalo de oito semanas. Outra novidade é que o imunizante tem dosagem e composição diferente do utilizado na campanha entre os adolescentes e adultos.

O volume utilizado é de 0,2 ml. Para diferenciar as vacinas, a Pfizer alterou o frasco – que possui rótulo preto na fórmula habitual, e um tom alaranjado na versão pediátrica. Até o momento, o Brasil recebeu 1,2 milhão de doses – número que deve chegar a 4,3 milhões até o fim deste mês.