Porto Alegre registra mais 23 casos de dengue; total chega a 109

Maioria dos infectados reside no bairro Santa Rosa de Lima

Foto: Luciano Lanes/PMPA

Subiu para 109 o número de pacientes que contraíram dengue, em Porto Alegre, desde o início do ano. Até ontem, esse número era de 86, para um total de 217 casos confirmados em todo o Rio Grande do Sul. A maioria dos pacientes (101) contraiu o vírus sem sair da cidade, o que configura um caso autóctone. Desses, 93 residem no bairro Santa Rosa de Lima e oito no Jardim Floresta. A Capital também registra oito casos de dengue importada, de pacientes que viajaram para outras partes do País.

Amanhã, a Secretaria Municipal de Saúde volta a aplicar inseticida, nos turnos da manhã e da tarde, no bairro Santa Rosa de Lima. As ações devem ser adiadas em caso de chuva.

O objetivo é diminuir a população adulta do mosquito Aedes aegypti, que, além da dengue, também transmite o zika vírus e a febre chikungunya. “A dengue é transmitida pela picada de fêmeas do Aedes, e as ações pretendem diminuir a população dos adultos para diminuir o risco de continuidade do ciclo de transmissão”, explica o médico veterinário Luiz Felippe Kunz Júnior.

Ele ressalta, no entanto, que o papel da comunidade em eliminar criadouros é essencial. “O inseticida mata mosquitos adultos, mas outros estágios do inseto, como ovo e larva, não são afetados pela pulverização”. O técnico enfatiza que “eliminar todos os focos de água parada, virar potes, garrafas, pratos de plantas, verificar se há calhas entupidas ou ralos com água são medidas simples, que exigem pouco tempo e são muito efetivas para o controle vetorial”.