Ministro sugere regras diferenciadas para militares na Previdência

Já o comandante da Marinha defendeu que a discussão sobre a idade mínima de aposentadoria para militares seja analisada com cuidado

Ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva. Foto: José Cruz/Arquivo/Agência Brasil

Na cerimônia de transmissão de cargo do Comando da Marinha hoje, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, ressaltou que a reforma da Previdência deve avaliar regras diferenciadas para militares. A solenidade, no Clube Naval de Brasília, contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro, que chegou ao local a bordo da lancha Amazônia. Seguindo o protocolo, o presidente não discursou.

Azevedo mencionou a reforma da Previdência ao se despedir do ex-comandante, o almirante de esquadra Eduardo Bacellar Ferreira, que passou o comando para o também almirante de esquadra Ilques Barbosa Junior.

“[Ferreira] foi incansável no esforço de comunicar as peculiaridades da nossa função”, disse Azevedo e Silva. Segundo o ministro, o esforço garantiu avançar para um “adequado amparo social aos militares das Forças Armadas e seus dependentes”.

Comandante da Marinha, Ilques Barbosa Júnior. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Já o comandante da Marinha, Ilques Barbosa Junior, disse hoje, depois de assumir o cargo, que a discussão sobre a idade mínima de aposentadoria para militares precisa ser analisada com cuidado. Para o almirante de esquadra, profissionais que fazem a defesa do país cumprem exigências próprias para a função.

“Este tema para nós que precisamos de higidez física para o combate, para atuação, para garantia da lei e da ordem em todas as atividades que temos, é um tema importante”, disse.

Barbosa Junior afirmou que a Marinha vai seguir a orientação do ministro da Defesa, que está tratando da situação militar na reforma da Previdência. Segundo ele, é preciso aguardar a proposta do governo avaliando o que é “razoável, adequado e exequível”.

Base Militar
Perguntado sobre a instalação de uma base militar norte-americana no país, o almirante afirmou que o assunto é político. “O presidente já falou que não está na pauta. Meu âmbito é preparo e emprego da Força”, disse.

Ilques Barbosa Junior disse que a parceria com os Estados Unidos, do ponto de vista da Marinha, já existe, assim como com outros países ocidentais, e aproveitou para ressaltar que o Brasil é um país ocidental e deve buscar o fortalecimento de alianças na região.