Flávio Bolsonaro fala que ex-assessor deve se explicar ao MPF

Coaf apontou movimentação atípica nas contas bancárias de R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017

O filho mais velho de Jair Bolsonaro, o deputado estadual, Flávio Bolsonaro, concede entrevista aos jornalistas.

O deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse hoje que o ex-motorista e ex-assessor Fabrício José Carlos de Queiroz vai prestar esclarecimentos ao Ministério Público Federal sobre a movimentação atípica nas contas bancárias de R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. Flávio informou já ter recebido explicações satisfatórias de Queiroz.

“A versão que ele me coloca é bastante plausível”, afirmou o deputado estadual, acrescentando que Queiroz vai apresentar provas e explicações ao Ministério Público. “Até que se prove o contrário, eu confio nele”, disse Flávio Bolsonaro, lembrando que conhece o ex-assessor há mais de 10 anos. “Tenho toda a tranquilidade. O que me foi relatado é que não há nenhuma irregularidade.”

Flávio Bolsonaro concedeu entrevista coletiva em frente à casa do pai, em um condomínio, na Barra da Tijuca. Ele admitiu ter ficado incomodado com a situação envolvendo o ex-assessor. Para o senador eleito, porém, as explicações dadas por Queiroz foram suficientes. Flávio afirmou que ele e o pai ficaram “surpresos” e “chateados” com o caso. O deputado afirmou ainda que não torna públicas as explicações do ex-motorista a pedido dos advogados dele.

Segundo informações publicadas pela imprensa esta semana, um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) anexado à Operação Furna da Onça, que investigou a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), indicou movimentação financeira atípica do ex-assessor.

O Ministério da Fazenda informou que o Coaf não vai se manifestar sobre a polêmica.