Polícia tenta identificar quem pode ter se beneficiado com o desaparecimento de gerente no Vale do Taquari

Jacir Potrich, 55 anos, foi visto pela última vez há duas semanas

Desaparecimento do gerente bancário Jacir Potrich, de 55 anos, ocorreu no dia 13 de novembro de 2018 | Foto: Facebook / Reprodução

A investigação da Polícia Civil sobre o paradeiro do gerente da agência do Sicredi de Anta Gorda, no Vale do Taquari, Jacir Potrich, de 55 anos, gira em torno de uma pergunta crucial: quem pode ter se beneficiado pelo desaparecimento ou da morte dele? O questionamento é feito pelo delegado Guilherme Pacífico, encarregado do caso. Ele não descarta, por enquanto, nenhuma possibilidade e hipótese, como sequestro, homicídio e morte natural.

Os agentes estão permanentemente mobilizados para elucidar o mistério em torno do sumiço da vítima. O delegado Guilherme Pacífico revelou que um dos objetivos do trabalho da equipe é “reconstruir os dias do gerente anteriores ao desaparecimento”.

Jacir Potrich desapareceu no início da noite do dia 13. Ele havia retornado de uma pescaria e limpou os peixes, na parte dos fundos da casa, mas não terminou de arrumar a área. Não foram encontrados a chave da casa e um celular. O carro do gerente ficou estacionado na garagem. As câmeras de segurança do condomínio onde reside registraram o gerente chegando da pescaria, contudo não mostraram a saída dele. “Não têm rastros, pistas e ninguém na cidade e nem na região ouviu nada”, desabafou na ocasião o filho Vinicius Potrich.

A família ofereceu até uma recompensa de R$ 50 mil para uma informação concreta sobre o paradeiro do gerente. Quem percebeu o sumiço do gerente foi um sobrinho que mora com Jacir e a esposa, que havia viajado a Passo Fundo. Um açude perto da casa foi esvaziado, mas nada foi encontrado.