STF rejeita pedido de Geddel para acessar ligação que PF a R$ 51 milhões

Denúncia anônima levou policiais a apartamento em Salvador, onde encontraram malas com o dinheiro

Brasília - O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, anuncia medidas para reduzir os gastos públicos (José Cruz/Agência Brasil)

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje negar pedido feito pela defesa do ex-ministro Geddel Vieira Lima para ter acesso às informações sobre a denúncia anônima que levou à apreensão de R$ 51 milhões, em espécie, encontrados, no ano passado, em um apartamento.

No pedido feito ao STF, a defesa alegou a necessidade de obter dados sobre a ligação telefônica anônima feita para a Polícia Federal para contestar juridicamente a legalidade da apreensão. A partir da denúncia, a PF conseguiu encontrar o dinheiro.

No entanto, seguindo voto do relator, Edson Fachin, a Turma entendeu que a concessão de acesso às informações pode levar à identificação do denunciante.

Dinheiro em apartamento
O ex-ministro foi preso preventivamente em 8 setembro do ano passado, três dias após o dinheiro ser encontrado.

Posteriormente, um fragmento de impressão digital encontrado no material apreendido foi apontado pela Polícia Federal como sendo do ex-ministro.

A partir das acusações, em maio, a Segunda Turma recebeu denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) e tornou réus por lavagem de dinheiro e associação criminosa o ministro Geddel; o irmão dele, o deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA); e a matriarca da família, Marluce Vieira Lima, de 84 anos.

De acordo com a defesa de Geddel, a origem dos R$ 51 milhões decorre da “simples guarda de valores em espécie”. Os advogados dizem ainda que a verba é fruto de “investimentos no mercado de incorporação imobiliária, com dinheiro vivo”.