Campanha contra pólio e sarampo termina, mas Estado orienta que postos sigam vacinando

Dos 29 pacientes que tiveram a doença, até agora, no RS, 69% não tinham se imunizado

Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo.

A campanha nacional de vacinação contra a poliomielite e o sarampo terminou oficialmente hoje. Resta aplicar cerca de 100 mil doses no Rio Grande do Sul para atingir a meta de 95%, o que corresponde a uma cobertura atual de 94,1% para a pólio e 93,8% para o sarampo.

Dos municípios gaúchos, 378 alcançaram o objetivo, mas 23, incluindo Porto Alegre, seguem com índices abaixo de 80%. Mesmo após o encerramento da campanha, os postos foram orientados a seguir aplicando as doses para a faixa etária da estratégia: crianças de um ano a menores de cinco. Também devem se imunizar aqueles que estiverem dentro do calendário básico de vacinação.

O sarampo não era registrado no país desde 2015. Três anos depois, o País contabiliza, inclusive, oito mortes, contabilizadas na região Norte. Os surtos podem ser relacionados à importação, já que o genótipo do vírus que predomina na circulação é o mesmo identificado na Venezuela, país que enfrenta um surto da doença desde 2017.

Dentre os 29 pacientes com quadro confirmado de sarampo no Rio Grande do Sul, em 2018, 69% pertencem ao sexo masculino, 82,5% à faixa-etária de 15 a 29 anos e
69% não tinham registro de vacina.