“Vai ser puxação de tapete”, admite Fortunati sobre possibilidade de não concorrer ao Senado

Ex-prefeito de Porto Alegre lembra que teve garantia do PSB de ser um dos candidato da legenda

O ex-prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, declarou, na tarde de hoje, que vai considerar “puxação de tapete” caso o PSB não alce o nome dele ao Senado para o pleito de outubro. O político garantiu que concorrer ao parlamento foi a única exigência dele quando se filiou ao PSB no último dia 2 de abril. A saída do PDT, ainda em novembro do ano passado, também se deu por discordâncias em relação a uma candidatura ao Parlamento.

“Entrei sem exigir nada, a única (exigência) era de que eu concorresse ao Senado, e eu entendo que o PSB tem esse compromisso”, ponderou. Além disso, Fortunati se disse convicto de que a sigla vai manter a posição de lançar dois nomes ao Senado, já que neste ano há a renovação de duas cadeiras gaúchas na Casa. “Isso foi decidido na executiva estadual do partido, e eu tenho convicção de que o PSB vai manter a palavra”, asseverou o ex-prefeito. Caso o partido desista de lançar o nome dele, Fortunati negou que vá sair da legenda, mas disse que “obviamente” vai se recolher e não atuar na campanha.

Já o vice-presidente nacional do PSB e também pré-candidato ao Senado, Beto Albuquerque, classificou ainda em abril como “kamikaze” a definição do partido de não abrir mão das duas pré-candidaturas ao Senado nas eleições de outubro. Na semana passada, Albuquerque foi categórico ao dizer que não quer concorrer como vice-presidente em uma eventual coligação e que é pré-candidato ao Senado: “eu tenho absoluta convicção que tenho maioria no partido e serei o escolhido”, considerou.