Imóvel que já abrigou “Dopinho” é retirado da plataforma de aluguel em Porto Alegre

Local tornou-se centro de tortura na ditadura militar entre 1964 e 1966

Foto: Matheus Piccini/CP

Localizada na rua Santo Antônio, no bairro Bom Fim, em Porto Alegre, uma casa chamou a atenção da ilustradora Carolina Porfírio, que fazia buscas, pela plataforma Airbnb, a fim de se hospedar na capital gaúcha. De acordo com ela, porém, não havia menção, no anúncio, que a casa, conhecida como “Dopinho”, já havia sido utilizada como centro de tortura na ditadura militar entre 1964 e 1966. Após o caso viralizar em redes sociais, a plataforma Airbnb retirou o imóvel do catálogo de aluguéis enquanto “avalia o caso”.

“Fomos procurar outro com um preço acessível e encontramos um ótimo, preço bom, localização boa e o lugar era lindo”, cita Carolina em publicação no Twitter. O aluguel diário do imóvel era orçado em R$ 700. Na mesma publicação, feita em 2 de agosto, Carolina conta que um comentário deixado por outra pessoa no então anúncio do imóvel chamou a atenção. Nele, o usuário, que se hospedou na casa, comenta que “era um lugar pesado”.

Uma placa instalada na frente do imóvel revela que o imóvel tornou-se o “primeiro centro clandestino de detenção do Cone Sul. No número 600 da rua Santo Antônio funcionou estrutura paramilitar para sequestro, interrogatório, tortura e extermínio de pessoas ordenadas pelo regime militar de 1964”.

Ao Correio do Povo, a plataforma confirmou que as reservas no imóvel foram desativadas por tempo indeterminado enquanto “avalia o caso”.

Confira a nota na íntegra:

“O Airbnb desativou a referida acomodação para reservas enquanto avalia o caso. O Airbnb tem regras e políticas que determinam como a comunidade deve usar a plataforma para criar uma experiência em que as pessoas se sintam em casa em qualquer lugar e está comprometido a aplicar suas políticas para proteger a comunidade”.