Com União Brasil, Leite passa a contar com maior coligação na corrida pelo Piratini

Seis partidos, sendo dois compondo federação, apoiarão a campanha do ex-governador

Foto: Reprodução / União Brasil RS

Com a confirmação do apoio do União Brasil, na noite dessa quinta-feira, após um estremecimento gerado pela cedência da vice ao MDB, o ex-governador Eduardo Leite (PSDB) vai contar com o maior número de siglas em prol da campanha ao governo gaúcho. Ao todo, são seis as legendas em aliança: além de União e MDB, PSD, Podemos e Cidadania, federado com o próprio PSDB, vão apoiar Eduardo Leite. Gabriel Souza (MDB) disputa como vice e Ana Amélia Lemos (PSD) concorre ao Senado.

“Desde que o União Brasil ganhou a prerrogativa de ocupar a vaga de vice na chapa de Eduardo Leite, eu fui um dos que trabalhou bastante para que essa vaga fosse ocupada por outra pessoa, no caso, atrair para dentro da nossa coligação o MDB”, afirmou Luiz Carlos Busato, presidente estadual da sigla, em transmissão ao vivo realizada em rede social do União no fim da noite. Busato reafirmou a “lealdade” com a candidatura do tucano.

Na mesma oportunidade, o ex-governador salientou que, contando os cargos de suplentes ao Senado, há menos vagas na chapa que partidos envolvidos na aliança. “Estamos voltados a construção de uma grande coalisão política a partir do diálogo, da construção e do entendimento. Temos um sistema pluripartidário e por isso a necessidade que tenhamos a disposição de dialogar, fazer concessões para construirmos convergência”, afirmou.

Demais composições
Contando com a união de duas federações, a segunda candidatura com mais partidos envolvidos é a de Edegar Pretto (PT). Os petistas já haviam se federado com PCdoB e PV. Ao formalizarem a coligação da federação formada por PSol e Rede, a candidatura passou a contar com cinco siglas em torno do petista. A canditura de Onyx Lorenzoni (PL) vem em seguida, com quatro legendas: além dos liberais, Republicanos, Patriota e PROS se uniram à aliança até o momento.

No apagar das luzes, a chapa de Luis Carlos Heinze (PP), a primeira a ser formada, com o apoio do PTB, formalizou também aliança com o PRTB, totalizando três agremiações. Mesmo número está junto de Roberto Argenta (PSC), que atraiu o engajamento do Solidariedade e do Agir.

Jà o PDT confirmou nesta sexta-feira o apoio do Avante. Sem coligação, o Novo, com Ricardo Jobim, o PSB, com Vicente Bogo, o PCB, com Carlos Messala e o PSTU, com Rejane de Oliveira, disputarão as majoritárias com chapa pura.