Pacheco lê pedido de abertura de CPI do MEC; instalação fica para depois das eleições

Senado deve ter quatro investigações em paralelo

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), leu o requerimento para instalação da CPI do MEC nesta quarta-feira. A ação é um dos trâmites necessários para a abertura do colegiado, mas a instalação em si só vai ocorrer após as eleições.

A criação de uma CPI ainda neste ano havia sido solicitada por um grupo de parlamentares da oposição após denúncias no Ministério da Educação e da prisão do ex-ministro Milton Ribeiro. Pacheco decidiu ouvir os líderes partidários antes de decidir. Em reunião na terça-feira, a maior parte deles se posicionou de forma contrária à instalação do grupo antes das eleições.

Além da comissão do MEC, Pacheco leu três requerimentos: CPI das ONGs, CPI para apurar homicídios de jovens em relação ao narcotráfico e CPI para apurar obras inacabadas em creches, escolas e universidades entre 2006 e 2018, antes do início do atual governo. A primeira é a junção de dois requerimentos, para investigar as causas dos desmatamentos e dos incêndios na Amazônia.

Agora, após a leitura das quatro comissões, a quantidade de assinaturas vai ser confirmada e deve ser aberto prazo para os líderes indicarem os membros da comissão. A CPI deve ser composta de 11 titulares e 11 suplentes.

A reportagem apurou que, em reunião na terça-feira, apenas as lideranças do PT, Rede e MDB foram favoráveis ao início dos trabalhos da CPI em agosto, após o recesso parlamentar; os outros partidos, como Podemos, PL (da base do governo), PSD e PDT foram contrários e defenderam a instalação da comissão após as eleições. Alguns líderes apontaram que iniciar uma CPI neste momento representa uma “sonegação de direito” a alguns senadores, em campanha pela reeleição.

Abrir a CPI do MEC após o período eleitoral é um pleito da base do governo, que teme o desgaste do presidente Jair Bolsonaro com o aprofundamento das investigações sobre a gestão de Milton Ribeiro.

O requerimento com pedido de abertura da CPI do MEC havia sido protocolado no Senado, na última terça-feira, com 32 assinaturas, cinco a mais do que o necessário.