Morte em carro apedrejado na FreeWay: depoimento reforça tese de tentativa de assalto

Outra vítima, que teve o carro atingido também no último sábado, fortalece a tese

Foto: Arquivo pessoal/Correio do Povo

A Polícia Civil busca imagens de órgãos públicos para tentar chegar aos autores da pedrada que vitimou Munike Fernandes Krischke, de 45 anos, no último sábado, na BR 290, junto à nova ponte do Guaíba. A tese de tentativa de assalto ganhou força com o relato de mais uma vítima que prestou depoimento na manhã desta segunda-feira: uma mulher, que teve o veículo atingido por um paralelepípedo, também na noite de sábado, cerca de 30 a 50 minutos antes do incidente com morte.

A delegada Roberta Bertoldo, titular da 2ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (2ª DPHPP), considera “muita coincidência” que dois casos tão semelhantes tenham se registrado em um espaço de tempo tão curto. A pedrada acertou o carro de Munike entre 20h e 20h30min. O marido dela dirigia o carro. Já a depoente que procurou a Polícia hoje disse ter passado pelo trecho às 19h30min. Ela não se feriu, embora o veículo tenha sido atingido. A mulher, que conduzia o automóvel, contou que, apesar da pancada, não parou na rodovia.

“Os fatos nos remetem à tese de que alguém jogou essas pedras. Encontramos um molho de chave na ponte, que vai ser periciado. Além disso, com o relato da outra vítima, não podemos acreditar em tamanha coincidência (duas quedas acidentais)”, disse a policial.

Munike e o marido tiveram o carro apedrejado quando seguiam para um restaurante na zona Sul, a fim de festejarem o Dia dos Namorados. Ferida gravemente pela pedra que a atingiu dentro do veículo, Munike passou por cirurgias no Hospital de Pronto Socorro (HPS), mas não resistiu. Além do esposo, a vítima deixa um filho de seis anos.

Na manhã desta segunda, a PRF informou ter reforçado o patrulhamento na área. Já a CCR Via Sul confirmou que, até fevereiro de 2022, as quatro rodovias sob jurisdição da concessionária (BR 290, BR 448, BR 386 e BR 101) serão monitoradas com o projeto de instalação de 1.136 câmeras de segurança, incluindo o trecho da nova ponte do Guaíba.