Justiça do RJ suspende autorização para Flordelis circular à noite

Juíza se baseou em relatório que apontou violação de medidas; entre elas o desligamento de tornozeleira eletrônica por 15 horas

Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido | Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados / CP

A Justiça do Rio de Janeiro decidiu suspender, nesta terça-feira, a autorização especial concedida à deputada federal Flordelis para circular entre 23h e 6h do dia seguinte, excepcionalmente, durante as atividades relacionadas ao exercício do mandato parlamentar. Agora, a parlamentar deve permanecer em recolhimento domiciliar noturno no horário estipulado, sem exceção.

A juíza Nearis Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), se baseou nos relatórios de acompanhamento eletrônico que apontou várias violações das medidas cautelares impostas à parlamentar. Ela chegou a permanecer mais de 15 horas com a tornozeleira eletrônica desligada.

Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019. A parlamentar e mais 10 acusados, entre filhos naturais e adotivos, presos, seguem aguardando decisão da 3ª Vara Criminal de Niterói para saber se vão a júri popular. Por ser deputada federal, Flordelis é a única que responde o processo em liberdade, cumprindo medidas cautelares.

Na decisão, a juíza ressaltou que a deputada não apresentou qualquer justificativa para as violações apontadas no relatório de monitoramento eletrônico. “A ré violou as cautelares como acima relatado, assim como, apesar de devidamente intimada, como atualmente se permite diante da pandemia vivenciada, manteve-se inerte, não apresentando até a presente data qualquer ‘justificativa’ para tanto”. A magistrada também considerou o fato de as atividades parlamentares, em razão da Covid-19, estarem ocorrendo de forma remota.