A convite do Ministério da Saúde, Leite vai a São Paulo receber vacinas contra a Covid-19

A Pasta convidou os governadores para ato simbólico de entrega dos imunizantes nesta segunda-feira

Foto: Palácio Piratini

O governador Eduardo Leite viaja para Guarulhos, em São Paulo, neste domingo, para receber entre 200 mil e 300 mil doses da vacina CoronaVac, cujo uso emergencial recebeu aval hoje da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O Ministério da Saúde convidou os governadores para ato simbólico de entrega dos imunizantes nesta segunda-feira. Mais cedo, o mandatário já havia informado que a vacinação contra a Covid-19 deve começar no Rio Grande do Sul até a próxima quinta-feira.

“Está tudo pronto para iniciar a imunização. Temos a rede de frios devidamente preparada e as seringas e agulhas disponibilizadas, assim como a logística está pronta. Tudo devidamente planejado para iniciarmos a vacinação assim que as vacinas chegarem”, disse em vídeo.

Através de Plano Nacional de Imunização (PNI) outros imunizantes deverão ser agregados à campanha de vacinação contra o coronavírus em todo o País. A primeira das vacinas deverá ser a produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O governador ainda destacou que a vacinação de toda a população gaúcha deverá levar tempo e ressaltou que “ainda é muito importante que todos continuem se cuidando, usando a máscara, lavando as mãos constantemente e mantendo o distanciamento social”.

Na primeira fase de vacinação, receberão a dose da vacina profissionais da Saúde que atuem na linha de frente ao combate ao coronavírus, idosos fora desses lares escalonados por faixa etária (mais de 80 anos; de 75 a 79 anos; de 70 a 74 anos); idosos moradores em lares de longa permanência, indígenas e quilombolas.

Além do imunizante desenvolvido pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac, a vacina de Oxford – desenvolvida pela Fiocruz, Astrazeneca/Universidade de Oxford, também obteve autorização da Anvisa.

No entanto, a Índia – onde as unidades estão sendo produzidas no Instituto Serum – não autorizou temporariamente o envio de 2 milhões de doses nesta semana. O Brasil enviaria um avião para buscá-las, mas o governo indiano determinou que seria necessário primeiramente iniciar a imunização naquele país antes de autorizar o envio ao Brasil.