Senador flagrado com dinheiro na cueca amplia licença para 121 dias

Parlamentar é alvo de investigação sobre desvio de dinheiro público

Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado / Divulgação / CP

Flagrado com dinheiro na cueca, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), ampliou, na tarde desta terça-feira, a licença de seu mandato por 121 dias. Durante o período da manhã, o parlamentar havia solicitado o seu afastamento do mandato por 90 dias.

No último dia 15, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o afastamento, por 90 dias, do senador. O magistrado enviou o caso para deliberação do Senado, a quem cabe manter ou não o afastamento do parlamentar.

A decisão ocorreu após operação da Polícia Federal (PF), realizada  em Boa Vista, no dia 14. A investigação apura apura desvios de recursos públicos destinados ao combate à pandemia do novo coronavírus, oriundos de emendas parlamentares.

O escândalo do dinheiro na cueca fez com que Rodrigues, até então vice-líder do governo federal no Senado, fosse retirado do posto. Em primeiro momento, o senador pediu para sair do cargo, ação que foi ratificada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em publicação no DOU (Diário Oficial da União).

Relembre o caso

O senador é suspeito de participar de um esquema de desvio de recursos destinados ao combate à covid-19. Desde que o escândalo veio à tona, após a operação da PF e da Controladoria-Geral da União identificar irregularidades na aplicação de emendas parlamentares, o presidente Jair Bolsonaro procura se desvencilhar do antigo aliado, que era vice-líder do governo no Senado e perdeu o posto.

Pelo regimento do Senado, a substituição de Chico Rodrigues pelo primeiro suplente, que é seu filho, Pedro Rodrigues (DEM-RR), só ocorreria se a licença fosse superior a 120 dias.

Nesta segunda-feira, em nota, os advogados de Rodrigues afirmaram que os R$ 33 mil encontrados pela Polícia Federal nas vestes íntimas do senador se destinavam ao pagamento dos funcionários de uma empresa da família. Além disso, a defesa alegou que Rodrigues “está sendo linchado por ter guardado seu próprio dinheiro”.