Susepe reforça monitoramento no Instituto Penal Feminino de Porto Alegre

Oito câmeras de alta resolução vigiam as detentas durante as 24 horas do dia

A vigilância é feita dentro do próprio estabelecimento prisional que conta com monitores de televisores | Foto: Susepe / Divulgação / CP

Oito câmeras de alta resolução monitoram durante as 24 horas do dia todo o perímetro externo do Instituto Penal Feminino de Porto Alegre (IPFPOA), situado no bairro Partenon. A vigilância reforçada começou neste mês. De acordo com a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), o acompanhamento é feito em bases dentro do próprio estabelecimento prisional, que contam com monitores de televisão.

O chefe de segurança do IPFPOA Sandro Neves, destacou que o sistema de monitoramento está ajudando muito no trabalho desempenhado pelos servidores, evitando diversos incidentes e possibilitando um ambiente mais tranquilo. “Foi muito positivo, pois o sistema registra a movimentação das internas no pátio. Com certeza, irá diminuir os problemas de arremessos ou desordem”, previu.

“O servidor que fica na inspetoria consegue detectar o incidente imediatamente pelas câmeras. Ficou bem mais fácil identificar atos ilícitos e, assim, evitar confusões”, acrescentou a administradora do IPFPOA, Luciane Ribeiro da Silva, enfatizando que a vigilância é fundamental para o trabalho preventivo e repressivo.

Interior

Já a administração da Penitenciária Estadual de Venâncio Aires (PEVA), em continuidade à instalação de câmeras de videomonitoramento em toda a área externa da unidade prisional, concluiu mais uma fase do projeto. Desta vez, o estabelecimento pena passa a contar com imagens do acesso externo das janelas da galeria C, setor considerado um ponto crítico de segurança, pois sempre teve visibilidade reduzida tanto para a guarda externa exercida pela Brigada Militar quanto à vigilância interna feita por agentes penitenciários. O monitoramento é gerenciado pelos policiais militares.