Polícia Civil investiga dois novos casos de homicídios ocorridos em Gravataí

Em um dos casos, a vítima foi baleada com dois tiros na cabeça dentro de um veículo alugado para corrida de aplicativo

POLÍCIA

Mais dois assassinatos são investigados pela Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) de Gravataí. Na noite de quarta-feira, o corpo de um homem, de 27 anos, foi encontrado dentro de um Volkswagen Novo Voyage estacionado na rua Barbosa Lessa, no bairro Bonsucesso. A vítima, que estava no banco do motorista, foi executada com dois tiros de pistola calibre 9 milímetros na cabeça. Policiais militares do 17º BPM isolaram o local para o trabalho do Instituto-Geral de Perícias. Já no final da madrugada desta quinta-feira, um homem, de 28 anos, foi morto a tiros dentro de casa no loteamento Breno Garcia, situado na parada 103, no bairro Passo da Caveira, perto da ERS 030.

O titular da DPHPP de Gravataí, delegado Eduardo Limberger do Amaral, afirmou na manhã desta quinta-feira que, no caso do bairro Bonsucesso, a vítima tinha antecedentes criminais por porte de arma de fogo e tentativa de homicídio. “Em princípio, ele fazia transporte de passageiros por aplicativo. Estava na casa de sua genitora quando recebeu uma ligação e deixou o local”, relatou, observando que o veículo estava alugado para fazer as corridas.

“O celular da vítima não foi encontrado e a suspeita é de que o indivíduo que acionou a suposta corrida por fora do aplicativo seja o autor do homicídio. A linha inicial é de homicídio e o celular provavelmente foi levado para tentar suprimir evidências”, revelou. “Há suspeitas de que a vítima estivesse envolvida com o tráfico de drogas”, adiantou.

Já sobre o crime no loteamento Breno Garcia, o titular da DPHPP de Gravataí afirmou que “quatro homens armados e vestidos com roupas da Polícia Civil invadiram a casa da vítima”. Conforme o delegado Eduardo Limberger do Amaral, os assassinos “renderam toda a família, conduziram a vítima até o banheiro e a executaram”. O indivíduo morto, constatou, tinha antecedentes criminais por tráfico de drogas, receptação e porte de arma de fogo.