Petroleiros suspendem greve no Rio Grande do Sul

Movimento deve ser paralisado em outros estados após suspensão de demissões no Paraná

petroleiros federação
Foto: Rita Cardoso. / Sindipetro./ Divulgação.

Os funcionários da Refap (Refinaria Alberto Pasqualini) no Rio Grande do Sul decidiram suspender a greve que durava vinte dias. A decisão foi definida em assembleia geral da categoria, em Canoas, no final da manhã desta quinta-feira, depois que a Petrobras suspendeu temporariamente a demissão de trabalhadores no Paraná.

Além do Sindipetro gaúcho, outros sindicatos também estão realizando assembleias e deverão definir movimento semelhante. Os trabalhadores irão retomar as atividades imediatamente. A proposta é de suspensão até a realização de uma mediação junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) no começo de março.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 9ª Região do Paraná determinou, na última terça-feira, a suspensão das demissões na Araucária Nitrogenados (Ansa), subsidiária da Petrobras no Paraná. Os desligamentos motivaram a greve da categoria.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP), que recomendou a suspensão temporária do movimento grevista, destacou, em nota, que a greve será retomada caso não haja avanços na mediação feita pelo Tribunal.

A entidade ainda destacou “a importância da abertura de um processo de negociação para que seja garantido o cumprimento da Cláusula 26 do Acordo Coletivo de Trabalho, onde a Araucária Nitrogenados se compromete a não promover despedida coletiva ou plúrima sem prévia discussão com o sindicato”.

No País, cerca de 21 mil trabalhadores paralisaram as atividades segundo os sindicatos da categoria. Já na Refap, 800 funcionários aderiram à greve.