“Só não terá Enem se cair um meteoro”, garante Weintraub

Ministro afirma que provas estão sendo distribuídas com escolta militar

Weintraub destaca que Enem 2019 será última edição impressa do concurso | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP Memória

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou na manhã desta quinta-feira que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) “só não será realizado se cair um meteoro”. Todas as provas que serão usadas durante o exame já foram impressas e já estão sendo distribuídas para os estados.

Para a realização do Enem 400 mil pessoas estão envolvidas, são impressos mais de 10 milhões de cadernos de provas. O custo do exame é de R$ 520 milhões, segundo informou o Ministério da Educação (MEC). “O problema com a troca de gráficas já foi resolvido e nada vai atrapalhar a realização do Enem”, diz Weintraub. “Essa é a principal notícia de hoje: o Enem será realizado dentro da normalidade.”

Em março deste ano, a gráfica RR Donneley, responsável pela impressão das provas, pediu falência. O MEC contratou a seguda colocada na licitação, a Valid. As provas estão marcadas para os dias 3 e 10 de novembro. O ministro reafirmou que as provas não terão viés ideológico. “Nosso foco está na aprendizagem, em questões científicas e não em polêmicas ideológicas.”

Weintraub também destacou que esta será a última edição do Enem tradicional, com provas impressas em papel. “A partir do próximo ano as provas serão realizadas online, não por pendrive, seguiremos os modelos aplicados no exterior.” A partir do ano que vem, parte dos alunos fará a prova digital e parte fará em papel. A digitalização total está prevista para 2026.