Greve de trabalhadores do Imesf afeta ao menos 20 postos de saúde

Grupo protesta contra decisão que considerou inconstitucional a lei que criou o órgão em 2011

Greve do Imesf: Saúde afirma que não haverá diálogo enquanto unidades estiverem fechadas
Foto: Alina Souza/CP

O primeiro dia de paralisação dos trabalhadores do Instituto Municipal da Estratégia de Saúde da Família (Imesf) começou com concentração em frente à Prefeitura de Porto Alegre e depois seguiu com uma caminhada pela área central da cidade até a Câmara de Vereadores. O ato desta quarta-feira faz parte das ações programadas para os três dias de greve do instituto depois da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considerou inconstitucional a lei que criou o órgão em 2011.

Segundo balanço da Secretaria Municipal da Saúde, a greve dos trabalhadores do Imesf provocou o fechamento de 20 postos de saúde da Capital (ver lista abaixo) na manhã de hoje. São mais de 92 mil pessoas prejudicadas.

Os servidores do Imesf são responsáveis por atender 77 das 140 unidades existentes em Porto Alegre. Desde o anúncio do fim das atividades do Imesf os trabalhadores organizam diversos protestos, inclusive com fechamento de postos de saúde.

Em nota, a secretaria reafirma o seu papel de cumprir com atendimento adequado para a população e diz não haver motivos para a greve de profissionais do Imesf. O órgão avalia como um contrassenso a ideia de quem diz que quer continuar atendendo a população, mas que deixa de estar nos postos de saúde.

Postos fechados:

US BATISTA FLORES
US CRUZEIRO DO SUL
US ESPERANCA CORDEIRO
US JARDIM DA FAPA
US JENOR JARROS
US MARIO QUINTANA
US MATO SAMPAIO
US MILTA RODRIGUES
US NOVA GLEBA
US PASSO DAS PEDRAS II
US SAFIRA NOVA
US SANTA MARIA
US SAO BORJA
US TIJUCA
US TIMBAUVA
US VILA BRASILIA
US VILA GAUCHA
US VILA PINTO
US VILA SAFIRA
US WENCESLAU FONTOURA