Marchezan projeta Porto Alegre com contas em dia somente para a próxima gestão

Prefeito citou LDO realista e elogiou maturidade dos vereadores com a aprovação de projetos

Marchezan esteve nos estúdios da Rádio Guaíba nesta quarta-feira | Foto: Ricardo Giusti / PMPA / CP

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, afirmou nesta quarta-feira que o pagamento em dia das contas só poderá ser feito no primeiro ano do próximo governo municipal. Em entrevista à Rádio Guaíba, Marchezan comentou que a quitação da remuneração apenas será feita mensalmente com um esforço que depende de um novo enxugamento na administração.

“Como anunciamos no início do nosso governo, antes do primeiro ano, em 2016, existia uma defasagem orçamentária de mais de R$ 830 milhões. Isso foi deixado pela equipe anterior da Fazenda. A gente anunciou a necessidade das reformas no primeiro ano para no terceiro ou no quarto poder realizar o pagamento em dia dos servidores e dos fornecedores. Não conseguimos fazer as reformas no primeiro. Talvez, boa parte da responsabilidade esteja na inabilidade política ou de comunicação. Este pagamento em dia de fornecedores e servidores de Porto Alegre só se fará no primeiro ano do próximo governo”, disse Marchezan.

O prefeito destacou o papel dos vereadores na aprovação de reformas e citou o envio de uma Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) realista. “Há uma previsão de déficit sim, mas este é um mapa que não foge dos últimos anos da cidade. A diferença é que, com as reformas aprovadas, o próximo prefeito terá uma Porto Alegre no azul, sem vender folhas, sem tirar dinheiro do Dmae, e isso não acontece há 20 anos. Reavaliamos os contratos, reduzindo R$ 109 milhões, aumentamos serviços e a qualidade. Conseguimos reorganizar as receitas porque também tivemos vereadores que votaram pela cidade”, argumentou. “Fazemos parte do poder público. Sempre que as vaidades pessoais forem deixadas de lado, a cidade vencerá”, acrescentou.