Comissão aprova audiência para Eduardo Leite explicar venda de ações do Banrisul

Pedido foi aprovado com oito votos favoráveis e apenas um contrário

feriado da proclamação
Foto: Mauro Schaefer / CP Memória

A Comissão de Economia da Assembleia Legislativa aprovou, nesta quarta-feira (14/08), requerimento de audiência pública sobre a venda de ações do Banrisul. Na solicitação, os deputados estaduais Fábio Ostermann (Novo) e Sebastião Melo (MDB) convidam o governador Eduardo Leite a ir ao Parlamento para explicar as razões que levaram o Piratini a tomar essa decisão. “Esperamos que o governador Eduardo Leite preste os devidos esclarecimentos à Assembleia e ao povo gaúcho sobre essa medida que, segundo nosso entendimento, trará graves prejuízos ao Estado”, afirmou Ostermann.

Desde junho, quando o Banrisul anunciou o interesse do governo estadual de vender ações do banco, a Bancada do Novo acompanha com apreensão a iniciativa do Piratini. Segundo Ostermann, vender ações pulverizadas sem abrir mão do controle acionário do Banrisul reduz o valor individual que seria pago por ação e diminui a rentabilidade do negócio como um todo. O líder da Bancada do Partido Novo afirma que a operação seria mais rentável se o Estado deixasse de ser dono do banco. “Estamos falando em um prejuízo que pode chegar a R$ 3 bilhões. São recursos públicos que Estado deixará de receber caso concretize o negócio da forma como está sendo proposto”, criticou Ostermann.

Ao se desfazer das ações, o Piratini também abrirá mão de receber uma fatia considerável da receita que obtém com o banco: argumento frequentemente utilizado para mantê-lo sob regime estatal. A perda nos dividendos pode chegar a R$ 150 milhões por ano. Além disso, vender ações pulverizadas até o limite do controle acionário impede que no futuro o banco amplie seu capital e realize novas ofertas. “Quando era candidato, Eduardo Leite criticou o então governador Sartori por vender ações do Banrisul para pagar despesas correntes. Mas agora está propondo fazer a mesma coisa”, ponderou Ostermann.

Também foram convidados para a audiência pública o secretário da Fazenda, Marco Aurélio Cardoso, o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, e o presidente do Banrisul, Cláudio Coutinho, o ex-presidente do Banrisul, Mateus Bandeira, entre outras pessoas. A data da audiência pública será definida em breve. O pedido foi aprovado com oito votos favoráveis e apenas um contrário. Apoiaram a iniciativa, além de Ostermann, os deputados Tiago Simon (MDB), Carlos Búrigo (MDB), Fernando Marroni (PT), Adolfo Brito (PP), Dalciso Oliveira (PSB), Eric Lins (DEM) e Rodrigo Lorenzoni (DEM). O deputado Pedro Pereira (PSDB) votou contra a realização da audiência pública.