Frente Parlamentar busca fortalecimento da Guarda Municipal, sem renovação desde 2010

Efetivo sofre defasagem de mais de 500 servidores, o que representa 39% dos cargos disponíveis

Proposta do grupo na Câmara de Vereadores é pautar a melhoria do efetivo e das condições de trabalho | Foto: Alina Souza / Arquivo CP

Enquanto a Guarda Municipal de Porto Alegre sofre com uma defasagem de mais de 500 servidores, o que representa 39% dos cargos disponíveis, os mais de 200 concursados aprovados em 2015 seguem aguardando para serem chamados. Agora, eles lutam contra o tempo para conseguirem a convocação, já que o último prazo vence em 2020. Além da defasagem atual, o cenário tende a piorar nos próximos anos devido à média de idade dos guardas.

Em reunião realizada na Câmara de Vereadores no ano passado, o subcomandante da Guarda Municipal, Rodrigo Mioti, declarou que a média dos profissionais era de 53 anos, em um universo de 230 guardas. O tema voltou a ganhar atenção do Legislativo municipal, que na terça-feira lançou a Frente Parlamentar pelo Fortalecimento da Guarda Municipal.
A proposta é presidida pelo vereador André Carús (MDB), a Frente pretende pautar a melhoria do efetivo e das condições de trabalho dos guardas municipais. Segundo os números apresentados, o efetivo não é renovado desde 2010.

Na próxima semana será feita a composição da Frente e, após, a convocação da primeira reunião oficial do grupo. A proposta é que todos os encontros tenham um representante da Secretaria Municipal de Segurança (SMSEG). No lançamento da Frente participaram os vereadores Valter Nagelstein (MDB), Roberto Robaina (PSol) e Marcelo Sgarbosa (PT), além do titular da SMSEG, Rafael Oliveira.