Banco Central mantém taxa de juros pelo décima vez seguida

Selic continua no menor nível desde o início da série histórica, em 1986

Copom avalia nova redução da Selic a partir de hoje./ Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Copom corta taxa básica de juros em mais meio ponto percentual., Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Pela décima vez seguida, o Banco Central (BC) não alterou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. A decisão era esperada pelo mercado financeiro.

Com a decisão de hoje, a Selic continua no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. Em comunicado, o Copom informou que monitora a economia brasileira. A nota esclarece que o Banco Central só deve voltar a reduzir os juros após o avanço ou a aprovação de reformas que reduzam os gastos públicos, como a da Previdência.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em maio, o indicador fechou em 4,66% no acumulado de 12 meses. Depois de vários meses de alta no início do ano, o índice desacelerou em maio, atingindo o menor resultado para o mês desde 2006.

Para 2019, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabeleceu meta de inflação de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não pode superar 5,75% neste ano nem ficar abaixo de 2,75%. A meta para 2020 é de 4%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.