Secretário do Meio Ambiente defende concessão de parques em Porto Alegre

Matéria volta à pauta da Câmara na próxima segunda-feira

Foto: Jefferson Bernardes/Arquivo PMPA

Depois de uma sessão sem quorum, nessa quarta-feira, na Câmara de Porto Alegre, o projeto de lei da Prefeitura que prevê a concessão de parques e praças deve voltar à pauta na segunda-feira. A meta é viabilizar licitações para entregar os espaços à iniciativa privada em troca de melhorias, como instalação de banheiros, parquinhos, bancos e cachorródromos, por exemplo.

Não se trata de privatização dos espaços públicos, garante o secretário do Meio Ambiente da Capital, Maurício Fernandes. “Não vamos cobrar ingressos, nada disso”, reiterou, em entrevista ao Guaíba News, nesta sexta-feira.

“Podemos utilizar o caso do parquinho instalado na Redenção. Para utilizar a montanha-russa ou o carrinho-choque, é necessário pagar. Fora isso, tudo é livre no parque e assim permanece. A iniciativa privada pode instalar uma cafeteria, por exemplo, e reverter os lucros em melhorias para o parque ou praça”, complementou.

A proposta da Prefeitura é conceder espaços como o Parque da Redenção, Marinha do Brasil e mesmo a orla do Guaíba, junto a praças localizadas em áreas menos atrativas da cidade, por até 35 anos.

Ao todo, nove parques e 640 praças da cidade podem ser concedidos à iniciativa privada em um futuro próximo. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade estima que a gestão pública gaste R$ 6 milhões por ano somente com a manutenção dos parques.