Carmen Flores acusa Bibo Nunes de invenções contra campanha eleitoral

Candidata de Bolsonaro no Estado repassou verba pública para filha, neta e própria loja

A ex-presidente do PSL no Rio Grande do Sul, Carmen Flores, nega qualquer irregularidade em sua campanha eleitoral após denúncias feitas pelo deputado federal Bibo Nunes. Presidindo a sigla no estado até dezembro, ela recebeu R$ 200 mil da direção nacional da sigla, valor proveniente do fundo partidário, verba pública para financiar as legendas e as campanhas eleitorais, sendo que parte desse montante foi encaminhado para contas de familiares.

Os pagamentos destinados para a filha, a neta e a própria loja aparecem nos dados da Justiça Eleitoral. A Folha de São Paulo divulgou, nesta quinta-feira, reportagem sobre o tema. Questionada pela Rádio Guaíba, Carmen disse que “todo mundo trabalhou na campanha”. Ressaltou que qualquer menção a irregularidades é uma invenção do parlamentar, eleito pela mesmo partido. “Isso tudo é uma invenção do Bibo Nunes. Porque ele sempre quis ser o presidente do partido”.

O advogado da empresária, Lucas Ceccacci, respondeu à Guaíba que suas contas ainda não foram julgadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e que toda a movimentação financeira foi registrada. Sobre o pagamento a familiares, Ceccacci disse que “não há ilegalidades nas contratações”. “Com relação à contratação de parentes, a legislação eleitoral não proíbe a contratação de parentes, assim como não há problemas com a locação de imóveis de parentes”, ressaltou.

Sobre a movimentação financeira, em depósitos sequenciais em sua conta de campanha, a defesa disse que a “movimentação foi registrada e lícita. Se houver algum questionamento por parte da Justiça Eleitoral, nos manifestaremos nos autos do processo”, disse Ceccacci.

O deputado Bibo Nunes recentemente gravou um vídeo em que mostra repasses a parentes de Carmen Flores e a depósitos realizados para a compra de móveis da loja da candidato ao Senado pelo PSL. Segundo Bibo, em setembro do ano passado ele reclamou a Gustavo Bebianno, que presidia o PSL nacional, sobre o modo como Carmen conduzia o partido. Conforme o parlamentar e apresentador de TV, Bebianno teria dito que “ela tinha costas quentes”. O PSL ainda não se manifestou sobre o caso.

Carmen Flores obteve aproximadamente 1,5 milhão de votos nas últimas eleições. Quarta colocada, ficou atrás de Luiz Carlos Heinze (PP) e Paulo Paim (PT), eleitos para as duas vagas, e Beto Albuquerque (PSB), o terceiro.