Helicóptero que caiu com Ricardo Boechat tinha mais de 40 anos, mas era regular

Aeronave, fabricada pela Bell Helicopter em 1975, pertencia à empresa RQ Helicópteros e caiu na tarde desta segunda-feira

Helicóptero que caiu na Anhanguera nesta segunda-feira. Foto: Reprodução/RQ Helicópteros

O helicóptero que caiu na tarde desta segunda-feira, na rodovia Anhanguera, embaixo do Rodoanel, na zona Sul de São Paulo, pertencia à empresa RQ Helicópteros – Serviços Aéreos Especializados. O jornalista Ricardo Boechat, que era passageiro da aeronave, morreu.

O helicóptero que caiu era uma aeronave da Bell Helicopter, fabricado em 1975, e tinha licença válida até 9 de maio de 2023.

De acordo com os dados registrados na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), a aeronave, helicóptero com motor turboeixo, pesava 1.247 kg. Dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) dão conta de que o helicóptero tinha Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válido até maio de 2023 e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) em dia até maio de 2019.

A Anac disse ainda que informações oficias da Aeronáutica confirmaram que as licenças e habilitações de Ronaldo Quattrucci, de piloto comercial de helicóptero (PCH), permaneciam dentro da validade.

Segundo o site da dona da aeronave, a empresa “disponibiliza recursos aéreos para trabalhos que geralmente são aproveitados em marketing, material promocional, feiras, exposições, acompanhamento de obras, de pré-projetos, mapeamento, áreas de proteção ambiental e decorativo”.

O helicóptero havia saído de Campinas, a cerca de 100 km de São Paulo, e tinha como destino o heliponto da Band, na região do Morumbi, zona Sul da capital, conforme informado pela emissora.

O R7 e a Rádio Guaíba tentaram contato telefônico com a empresa dona da aeronave, mas não foram atendidos até o momento.