Leite deve se manifestar sobre venda de bebidas em estádios na próxima semana

Tendência é de veto à proposta

Foto: Guilherme Almeida/CP

O governador Eduardo Leite deve se manifestar antes do prazo de 15 dias úteis a respeito da sanção ou veto ao projeto que pretende liberar a venda de bebidas alcoólicas nos estádios do Rio Grande do Sul. O texto da Assembleia Legislativa chegou no fim dessa quinta-feira à Casa Civil.

Leite pode sancionar, vetar ou silenciar a respeito da matéria. Caso vete, a proposta retorna à Assembleia para a análise da decisão, mas pela legislatura que assume a partir de 1º de fevereiro. Com isso, o assunto pode vir a ser analisado por uma composição de deputados diferente da que aprovou a proposta, por 25 votos a 13, em dezembro. Outra possibilidade é a de Leite silenciar e encaminhar o projeto para promulgação no Legislativo.

No entanto, a tendência é pelo veto. O governador está ouvindo as forças de Segurança do Estado, assim como o vice-governador e secretário da Segurança. A Brigada Militar já se manifestou contrária à retomada da venda e consumo desde a aprovação da proposta. A Polícia Civil também vai ser ouvida e deve se manifestar contrária. Já consultada, a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) é favorável ao tema.

“Estamos discutindo o tema, mas em princípio sou contrário. Não há ainda a posição do governador, deixo claro que não estou antecipando o posicionamento dele”, disse o vice-governador, Ranolfo Vieira Júnior.

Conforme o subcomandante-geral da Brigada Militar, coronel Carlos Alberto Andrade, experiente com o trabalho de policiamento em estádios do Interior gaúcho, a medida representa um retrocesso. “Os estádios de Porto Alegre ainda têm infraestrutura, o que não é o caso daqueles no interior. Os pequenos estádios ficam na conta da Brigada Militar porque há a questão de cuidar da Segurança tanto dentro quanto fora do estádio”, ressalta.

Andrade ainda salienta que a experiência da Copa do Mundo, quando havia a liberação do consumo de bebidas alcoólicas em todas as sedes do evento, houve problemas como brigas, o não cumprimento de regras sociais e arremesso de objetos no campo. “O proceder indisciplinado do cidadão sob o efeito do álcool fica potencializado”, resume o subcomandante.

A legislação estadual que proíbe a comercialização e o consumo dentro dos estádios vigora desde abril de 2008, a partir de um projeto protocolado pelo então deputado estadual Miki Breier (PSB), hoje prefeito de Cachoeirinha. A proposta dos deputados Gilmar Sossella e Ciro Simoni para a retomada da venda de bebidas limita o consumo ao primeiro tempo das partidas, ou após o fim do jogo.