Santas Casas dizem que atraso em repasses do governo chega a R$ 340 milhões

Em reunião realizada hoje, Secretaria da Fazenda informou que vai liberar R$ 80 milhões para a Saúde até o dia 14 de dezembro

Levantamento realizado pela Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Estado mostra que crescem as restrições em atendimentos por conta dos atrasos dos repasses do governo estadual. Os hospitais filantrópicos dizem que o atraso chega a R$ 341 milhões por serviços realizados, só nos últimos três meses.

A dívida atinge R$ 210 milhões referentes a serviços prestados em agosto, setembro e outubro. Os atendimentos dizem respeito a 17 programas, como serviços de saúde mental, atenção a gestantes de alto risco, cirurgias eletivas e captação de órgãos.
Além disso, os hospitais ainda dizem que o atraso em repasses do IPE é de mais R$ 131 milhões, relativos a 30 dias de assistência.

O presidente da Federação, André Emílio Lagemann, ressalta que a situação tende a se agravar com o não-pagamento de salários dos funcionários das instituições. “Sem os repasses, os gestores ficam engessados e não conseguem pagar seu corpo de funcionários”, lamenta.

Pelo menos 30 hospitais localizados em 28 municípios restringiram serviços. “Em mais de 200 cidades, os hospitais filantrópicos são as únicas instituições de saúde. Com a crise, todas as regiões do Estado estão prejudicadas em um problema que é generalizada. O atendimento está em risco”, sustenta.

Entre os municípios mais afetados, está Santa Cruz do Sul, onde o Hospital Santa Cruz (HSC), maior do Vale do Rio Pardo, informou que vai suspender a partir de hoje as cirurgias eletivas pelo SUS. Em Agudo, funcionários paralisaram as atividades hoje em protesto contra o atraso nos salários e, a partir de amanhã, trabalhadores de hospitais de Canoas entrarão em greve. Em São Leopoldo, a Prefeitura decretou situação de emergência na área da saúde e, em Sapucaia, médicos devem paralisar a partir de sexta.

Em 20 de novembro, a Secretaria Estadual da Saúde repassou R$ 20 milhões referentes ao mês de outubro para todos os hospitais que recebem por serviços de alta e média complexidade. No entanto, o governo não dá prazo exato para pagar toda a dívida. Em reunião realizada hoje, a Secretaria da Fazenda informou que vai liberar R$ 80 milhões para a Saúde até o dia 14.