Brigada Militar sabia que grupo planejava atacar bancos no Norte do Estado

Operação Diamante, da Brigada Militar, deslocou forças de segurança para áreas onde havia possibilidade de ataque de criminosos a Bancos

O secretário da Segurança Pública, Cezar Schirmer, disse na manhã desta terça-feira que as forças de segurança do Estado sabiam da possibilidade de um ataque a banco no Norte do Rio Grande do Sul nesta segunda-feira. Neste dia, agências de dois pequenos municípios da região sofreram ataques de criminosos: Ibiraiaras e Três Palmeiras.

“Nós estamos trabalhando com informação e inteligência e detectamos possibilidades de haver assalto a bancos naquela região. Não tínhamos claro em qual município. Isso é fruto da operação na qual a Brigada Militar chama de ‘Diamante’. Nós selecionamos algumas áreas do Rio Grande do Sul que achávamos que era possível uma ação criminosa de assalto a banco. E para essas regiões, que não vou dizer quais, nós deslocamos previamente forças da BM como um reforço adicional”, explicou Schirmer.

Segundo o secretário, no momento em que aconteceu o ato criminoso em Ibiraiaras, havia um contingente da Brigada Militar em cidades próximas, inclusive com helicóptero. “Então, foi possível uma pronta e imediata resposta. E o resultado está aí: está claro que o crime não compensou. Isso que tem que passar para os que estão pensando em entrar para o mundo do crime. O sucesso da segurança pública, no enfrentamento do crime, se resume a uma expressão bem simples: o medo tem que mudar de lado. Quem tem que ter medo não é o cidadão de bem, mas o cidadão que está comprometido com o crime”, avaliou.

Em Ibiraiaras, seis criminosos foram mortos em confronto com a Polícia. Um funcionário da agência do Banco do Brasil que foi assaltada acabou morrendo durante a ação. Rodrigo Mocelin da Silva, de 37 anos, era gerente adjunto do banco e trabalhava há cerca de um mês no pequeno município de 7,5 mil habitantes.