Bebianno é confirmado como ministro da Secretaria-Geral da Presidência

Mais cedo, o presidente eleito Jair Bolsonaro confirmou o nome do advogado André Luiz de Almeida Mendonça para a Advocacia-Geral da União

O ministro extraordinário de transição de governo, Onyz Lorenzoni, e Gustavo Bebianno, deixam o Centro Cultural Banco do Brasil

O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, confirmou hoje o nome do advogado Gustavo Bebianno como ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência. Segundo Onyx, ele é um “homem preparado e da absoluta confiança” do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Presidente do PSL durante a campanha eleitoral, Bebianno agradeceu a indicação e adiantou que a principal atividade de pasta vai ser a modernização e a desburocratização estatal. “Será o governo olhando para sua atividade de servir a população”, afirmou em coletiva no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde a equipe de transição do governo está instalada.

Perguntado, o futuro ministro disse que há uma lista em estudo para composição da equipe. Um dos nomes apontados por ele é o de Carlos Bolsonaro, filho do presidente eleito, que pode assumir a Secretaria de Comunicação da Presidência.

“Ele sempre esteve à frente dessa comunicação. É uma pessoa muito importante para a equipe e para o presidente.”

Bebianno e Onyx participaram hoje da primeira reunião com todos os ministros confirmados e integrantes de 14 grupos técnicos. Esses encontros devem se repetir todas as quartas-feiras, às 10h. Essa é a primeira agenda fixa da equipe de Bolsonaro. A proposta é que, nos próximos dias, ministros e grupos técnicos apresentem ideias e projetos “que serão construídos paulatinamente”, descreveu Onyx.

O desenho ministerial vai estar pronto até meados de dezembro e deve refletir as promessas de enxugamento da estrutura da máquina pública.

AGU com titular definido

Mais cedo, o presidente eleito Jair Bolsonaro confirmou o nome do advogado André Luiz de Almeida Mendonça para a Advocacia-Geral da União (AGU). Na conta do Twitter, Bolsonaro se referiu ao novo ministro como “Mendonção” e o descreveu como sendo “advogado com ampla vivência e experiência no setor”.

Mendonça atuou em áreas de transparência e combate à corrupção em parceria com a Controladoria-Geral da União. Com pós-graduação em Governança Global, Mendonça é advogado da União desde 2000. Ele vai substituir a ministra Grace Mendonça, que é advogada da União desde 2001 e chefia a AGU desde setembro de 2016.