Concluídos dois trechos da faixa reversível da Wenceslau Escobar, em Porto Alegre

Operação dos semáforos deve reduzir em 50% tempo de deslocamento nos horários de pico

Foto: Guilherme Almeida/CP

Foram entregues na tarde desta terça-feira os trechos 1 e 2 da faixa reversível de 1,8 quilômetro das avenidas Wenceslau Escobar e Coronel Marcos, até a travessa Pedra Redonda, na zona Sul de Porto Alegre. O início da operação dos semáforos deve reduzir em 50% o tempo de deslocamento nos horários de pico dos usuários da via.

De acordo com o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Marcelo Soletti, o levantamento feito pela instituição mostra que 26 mil veículos percorrem o trecho por dia. “Essa entrega só foi possível devido aos vários envolvidos nesse processo, é considerado de pequena complexidade, mas de grandes benefícios, tanto que os diferenciais já recebem elogios dos usuários”, declarou.

Todas as alterações foram debatidas com a comunidade envolvida. O objetivo era a melhoria da mobilidade e da fluidez a fim de reduzir o tempo de deslocamento e os índices de acidentes na região. A faixa reversível semafórica – primeira na capital com operação automatizada – vai funcionar em horários de fluxo mais intenso. No local, há três faixas. A da direita vai estar sempre liberada, a localizada mais à esquerda sempre bloqueada e a central condicionada à sinalização.

Feliz em ver o projeto sair do papel, o prefeito Nelson Marchezan Júnior acompanhou o início da operação. “Demorou, mas saiu. A máquina pública tem a burocracia que atrapalha o andamento, se fosse a iniciativa privada tudo teria mais agilidade. Temos certeza que a comunidade sentirá os benefícios. Quem utiliza diariamente o trecho também perceberá o diferencial”, destacou.

Atualmente, 19 minutos são perdidos no local, considerado um dos gargalos do trânsito na capital. O monitoramento da região vai ser feito com três câmeras, durante 24 horas.

Conforme o titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade (Smim), Luciano Marcantonio, a obra estratégica utiliza sinalização moderna. “Quem passa por aqui sabe que sempre houve congestionamento. Ainda teremos os trechos 3 e 4. Avançamos muito e há muito o que fazer ainda. Foi uma obra de pouco gasto e de extrema importância”, afirmou.

ConstruPOA

Esse é o primeiro projeto desenvolvido a partir de doações da ferramenta ConstruaPOA, disponível no aplicativo #EufaçoPoa. Através dele, as empresas doaram 3,5 mil quilos de cimento asfáltico e 416 quilos de adesivo para fixação de tachas, no valor estimado de R$ 15.899,60. Já o projeto custou R$ 220 mil.

Representando a Câmara de Vereadores da capital, Elizandro Sabino, enalteceu o benefício que as zonas Sul e Extremo Sul passarão a ter. “Principalmente na redução de tempo no deslocamento”, disse.

Porto Alegre já conta com duas faixas reversíveis na João de Oliveira Remião, na entrada da Lomba do Pinheiro, e na Oscar Pereira, no bairro Cascata, operadas com a presença de agentes de fiscalização.