Feira do Livro de Porto Alegre ocorre sem cobrança de aluguel, esclarece Prefeitura

Evento deve pagar em torno de R$ 5 mil, valor que cobre serviços como limpeza e instalação de wifi na Praça da Alfândega

Foto: Fabiano do Amaral.

Após a polêmica relativa à cobrança de R$ 180 mil para instalar a Feira do Livro na Praça da Alfândega, em Porto Alegre, a Prefeitura confirmou, hoje, a isenção da taxa “de aluguel” do espaço. A Câmara Riograndense do Livro, organizadora do evento, recebeu em junho um boleto com o valor a ser pago pelos dias de ocupação da praça. Com isso, o evento deve custear em torno de R$ 5 mil, valor que cobre serviços como limpeza e instalação de wifi na região.

O presidente da Câmara e o prefeito Nelson Marchezan Júnior assinaram termo de autorização para realização da 64ª edição da Feira do Livro, na manhã desta terça. O ato é resultado do decreto de criação do Escritório de Eventos, que torna mais claras as regras para utilização dos espaço públicos da Capital.

Conforme o dirigente da Câmara do Livro, Isatir Bottin Filho, a gestão reconheceu a importância do evento e que a cobrança impunha o risco de inviabilizar a realização da feira. “A Prefeitura entendeu que o evento precisa ser tratado de forma diferente por se tratar de um patrimônio da cidade”, ressaltou.

Feira do Livro

A 64ª edição do evento ocorre entre os dias 1º e 18 de novembro na Praça da Alfândega. Tradição desde 2002, a escolha do patrono da Feira deve ocorrer até o dia 9 de outubro. Toda a programação cultural é gratuita.

Entre os escritores aguardados para a Feira do Livro, a ruandense Scholastique Mukasonga, conhecida pela obra sobre o genocídio de Ruanda, é uma das atrações em 2018. A romancista portuguesa Ana Margarida de Carvalho também confirmou participação. Para o público infantil, um dos destaques vai ser o cartunista e chargista Ziraldo.