Festival de Gramado: Curta retrata a vida de catadores de lixo em Uruguaiana

Divulgação: Lança Filmes

O curta-metragem “Catadora de Vidas”, da diretora Mirela Kruel, traz um retrato de Maria Tugira Cardoso, que há 30 anos dedica sua vida à catação de lixo, em Uruguaiana, no interior do Rio Grande do Sul. Com sua fala lúcida a respeito da vida e de suas complexidades, Tugira narra sua história e propõe ao espectador uma reflexão profunda sobre as desigualdades sociais do Brasil.

Ao longo de anos, além de materiais recicláveis, ela e a família cataram também livros no lixão. Na residência, desde coleções inteiras de edições de Jorge Amado a Constituição brasileira de 1988. “Isso me deu preparo para entrar na prefeitura e no Ministério Público para reivindicar os meus direitos e do grupo de catadores que viviam por anos do lixão”, disse em debate na manhã desta quarta-feira, durante o Festival de Cinema de Gramado.

“Dizia aos meus filhos que essa é a riqueza que a mãe tem. Dizia que o maior valor que podemos ter é o conhecimento e que eles deveriam estudar para sair dessa que é a minha realidade”, enfatiza Tugira. Com discurso militante de quem organizou um movimento dos catadores no município, ela destaca que os recicladores não precisam de cestas básicas e doação de roupas, mas de oportunidades de trabalho e renda. “Catar materiais é um trabalho digno como qualquer outro, mas pessoas querem e podem muito mais”.

Com o fechamento do lixão de Uruguaiana, por sua força de determinação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, a associação se articulou para buscar propostas de renda para as famílias. A diretora Mirela Kruel diz que a força de Maria Tugira a instigou a filmar a história dela. “A história dela é uma motivação para a mudança dessa realidade, assim como traz uma visão mais respeitosa sobre a vida dessas pessoas. É impossível para mim conhecer uma mulher com a força dela e não querer fazer um filme”, ressalta.

Diretora e atriz/personagem real se conheceram quando a Fundação Luterana de Diaconia contratou Kruel para realizar um vídeo institucional chamado “Mulher catadora é mulher que luta”. A partir disso surgiu a ideia do curta-metragem que já obteve menção honrosa no Festival É Tudo Verdade.

Fechamento dos lixões

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, todos os lixões do Brasil deveriam ter sido desativados ainda em 2014. Por conta das alegadas dificuldades dos municípios nesse processo, o Senado aprovou a prorrogação do prazo.

Assim, as capitais e municípios de região metropolitana terão até 31 de julho de 2018 para acabar com os lixões. Os municípios de fronteira e os que contam com mais de 100 mil habitantes, com base no Censo de 2010, terão um ano a mais para implementar os aterros sanitários. As cidades que têm entre 50 e 100 mil habitantes terão prazo até 31 de julho de 2020. Já o prazo para os municípios com menos de 50 mil habitantes será até 31 de julho de 2021.