Com greve, metade das escolas municipais da Capital funciona parcialmente na volta das férias

Atendimento em educação infantil e nas escolas comunitárias não chegou a ser afetado substancialmente

Foto: Manoelle Duarte / PMPA / CP

A greve dos municipários, em Porto Alegre, teve reflexos na rede municipal de ensino, no primeiro dia letivo após o recesso de inverno. Nesta segunda-feira, 44 escolas tiveram atendimento parcial, de um total de 99. Já na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Marcírio Loureiro, no bairro Aparício Borges, os cerca de 900 alunos não tiveram aulas nesta segunda-feira.

Conforme a Secretaria de Educação da capital, o atendimento em educação infantil não chegou a ser afetado de forma substancial. Todas as 43 escolas, além das 218 comunitárias, estiveram abertas, atendendo os cerca de 30 mil alunos, embora sete tenham funcionado de forma parcial.

A Smed informou que as escolas estão abertas para receber os alunos e esclarecer dúvidas. A pasta também informou que o ano letivo encerra após o cumprimento dos 200 dias e 800 horas letivas prevista em lei. Sendo assim, a escola que tiver algum tipo de prejuízo precisa definir um calendário para compensar os dias sem aula.

Servidores municipais vinculados ao Sindicato dos Municipários (Simpa) de Porto Alegre fazem greve desde o dia 31. Os servidores insistem na derrubada do pacote fiscal em tramitação no Legislativo. Além disso, a categoria quer o fim do parcelamento salarial – retomado na folha de julho –, e reposição inflacionária de 2017.