O QUE É QUE A PAPUDA TEM???

Amanheci hoje trocando orelhas, alerta, bem desperta e disposta! Mas não é que me veio à “cachola” o porquê do nome Papuda, a tal penitenciária onde se encontram alguns dos cabeças da Operação ‘Lava não muito a Jato’…
Me encafifei e não me sai da cabeça a tal Papuda. Que nome de prisão, nada de nome e sobrenome sérios, tipo Penitenciária Dr. Eduardo Cunha, ou Geddel Vieira Lima, ou coisa parecida. Pois ficou Papuda e deixa assim. Aliás, ninguém quer fincar o pé na Papuda, e lá me fui assuntar sobre o tema.
O nome vem do local onde o presídio se instalou, a tal Fazenda da Papuda. Quem seria essa criatura? Bueno, provavelmente tinha bócio, pescoço avolumado, doença tão comum na época. A Papuda não deveria ser mulher de muitas posses e mando. Ninguém teria coragem de nomear alguém poderoso por seu estigma. Apesar de que ainda não existiam os politicamente corretos.
Muito antes de se tornar o maior presídio da capital federal, o local onde hoje se encontra o Complexo Penitenciário da Papuda já foi uma pacata fazenda de criação de gado de leite, a qual se estendia por solo goiano ao longo de 7 mil alqueires. A área era maior do que a soma dos territórios de Taguatinga, Águas Claras e Recanto das Emas.
O folclore local diz que o nome “Papuda” foi dado em referência a um casal de negros escravizados que vivia na região. A mulher teria sido acometida pelo bócio, uma deformidade na região do pescoço associada à deficiência da ingestão de iodo. O “papo” resultante da doença teria dado nome à área, onde também já existiu um quilombo
A idade da escritura da Fazenda Papuda, data de 26 de junho de 1900 – é uma das mais antigas propriedades do DF de que se tem registro.
Atualmente, a Papuda abriga nomes que integraram as mais altas esferas do poder e que conheceram e conhecem de perto a realidade da Papuda. O grafiteiro Carlos Washington Corrêa, ex-interno, defende que políticos tenham o mesmo tratamento dado aos demais. “Corrupção tem que ser crime hediondo. Quando os políticos chegam à Papuda, ficam numa área com ex-policiais. A corrupção prejudica muito a sociedade, e quem pratica esse crime deve ser tratado como os demais internos”, diz o vivente. “O sistema penitenciário brasileiro está deteriorado. Os presos da Lava-Jato vivem uma espécie de ‘oásis’, se comparado ao sistema tradicional”.
Eu só estou preocupada agora, porque o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o ex-senador Luiz Estevão foram transferidos para a ala de segurança máxima no presídio da Papuda, em Brasília. A Justiça ordenou a transferência após denúncias de que os políticos recebiam regalias em suas celas. Geddel, o “homem da mala”, jamais vai andar cortando arame com os dentes, nem com a barriga no espinhaço, nem andar com a cincha na virilha, mas por certo anda como cachorro que comeu toucinho… cismado, ressabiado… e o senador Luiz Estevão, com essa mudança, anda como cobra que perdeu o veneno… aflito… inquieto…
É que os coitadinhos vão ficar sem pen drive, cafeteira, cápsulas de café, chocolate, massa importada, dentre otras cositas más… isso está me tirando o sono… ô vida difícil essa na Papuda… O resto? O resto é papo furado…