Penitenciária Estadual de Porto Alegre deve estar pronta daqui um mês

Novo estabelecimento penal terá 416 vagas

Novo estabelecimento penal terá 416 vagas | Foto: Alina Souza/CP

A futura Penitenciária Estadual de Porto Alegre, com previsão de conclusão das obras em cerca de um mês, terá 416 vagas sendo dotada de duas galerias que totalizam 48 celas com capacidade para oito, quatro e dois detentos em cada uma delas. Localizado junto da Cadeia Pública de Porto Alegre (Presídio Central) e Casa do Albergado Padre Pio Buck, no bairro Aparício Borges, o novo estabelecimento penal terá em cada galeria, por exemplo, dois solarium, duas salas de ensino e duas salas de trabalho, além de uma cozinha única. Haverá até cela para pessoas com necessidades especiais, como cadeirantes.

No pavimento superior, uma parte dos pisos sobre os corredores é feita de grade para maior controle dos detentos sem contato direto, existindo inclusive uma janela de observação para o interior de cada cela, que dispõe por sua vez de quatro beliches, uma pia e um banheiro turco. O investimento é de R$ 23,9 milhões, proveniente do programa de permuta de imóveis do governo do Estado onde o Grupo Zaffari assumiu a construção do novo presídio em troca do prédio ocupado no passado pela Fundação para o Desenvolvimento e Recursos Humanos (FDRH) na avenida Praia de Belas. Trata-se da primeira obra realizada com permuta e segue o mesmo padrão da Penitenciária Estadual de Canoas.

Na manhã desta sexta-feira, o secretário estadual da Segurança Pública, Cezar Schirmer, realizou uma visita às obras que já estão 75% prontas. Ele observou que a Penitenciária Estadual de Porto Alegre é totalmente independente da Cadeia Pública apesar da proximidade no mesmo terreno. “É um esforço na direção de suprir as carências do sistema prisional. O déficit está em torno de 10 mil”, destacou. Ele lembrou que desde janeiro de 2015 aumentou a população carcerária entre 8 mil e 9 mil no Rio Grande do Sul.

Cezar Schirmer disse que a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) já está examinando qual será o perfil dos detentos que ficarão recolhidos no novo presídio. “Será definido antes da abertura”, assegurou. Já o superintendente da Susepe, Angelo Carneiro, confirmou a intenção de não trazer integrantes de facções criminosas mesmo desafogando a Cadeia Pública. De acordo com ele, a Penitenciária Estadual de Porto Alegre ficará apenas com condenados. Ele assinalou ainda que os dois centros de triagem, existentes ao lado, devem assumir a função de porta de entrada de presos no sistema carcerário.