Caso Alemão Caio: empresário é considerado foragido da Justiça

Com júri popular remarcado pela quinta vez, réu é acusado de matar namorado de ex-esposa em Torres

Imagem: Divulgação TJ/RS

O empresário Carlos Flores Chaves Barcellos, o “Alemão Caio”, acusado da morte do amigo surfista José Augusto Bezerra de Medeiros Neto, o Zeca Bezerra, é considerado foragido da Justiça. Nos três endereços de Porto Alegre informados à Polícia Civil, ele não foi  encontrado durante a semana.

Barcellos não compareceu ao tribunal do júri em Torres, para ser julgado em definitivo, na semana passada, alegando problemas de saúde. Com isso, a juíza Marilde Angélica Weber Goldschmidt decretou a prisão preventiva do empresário, que até então cumpria prisão domiciliar. De acordo com ela, não há fato novo que justifique a prisão em domicílio. A juíza soube ainda ontem, pela Polícia Civil, do sumiço do réu.

Sete anos após o crime em Torres, essa havia sido a quinta tentativa da Justiça de levar o caso a júri popular. Barcellos também responde pela tentativa de homicídio de Ivanise Menezes Chaves Barcellos, ex-esposa dele, que à época do crime, havia passado a namorar Zeca Bezerra.

Um novo julgamento popular está marcado para 13 de setembro. Na semana passada, a Justiça multou a advogada do réu em 30 salários mínimos porque ela não se manifestou durante a sessão do tribunal. Testemunhas de defesa também não se apresentaram a depor.

Se condenado, o acusado pode receber pena de até 30 anos em regime fechado.