Banrisul adia abertura de capital da Banrisul Cartões

Operação era prevista ainda para julho

Foto: Guilherme Testa / CP Memória

Em nota emitida na noite de hoje, o governo gaúcho descartou realizar, ainda em julho, a abertura de capital da Banrisul Cartões, como havia cogitado. O adiamento decorre de uma nova avaliação das condições de mercado. As equipes concluíram que o momento não é propício à operação. Na nota, o governo comunicou que vai retomar o plano assim que as condições melhorarem. A decisão ocorre na mesma semana em que o Ministério Público abriu investigações sobre a suposta venda de ações do banco por um valor abaixo de mercado.

Acionista majoritário do Banrisul, o governo reitera, na nota, que essa venda de ações não muda em nada a posição do Estado no capital do banco, nem retira da instituição financeira o controle integral sobre a subsidiária de cartões. Isso porque o Banrisul permanece como titular da totalidade das ações ordinárias com direito a voto.

Em 2017, o lucro líquido da Banrisul Cartões subiu quase 8% em relação ao ano anterior. No fim de março, o banco já havia anunciado a intenção de abrir o capital da empresa de cartões por meio de fato relevante, publicado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Crítica
Conforme o SindBancários, a Banrisul Cartões vai ser vendida em função dos resultados financeiros mais recentes obtidos pela empresa. A entidade criticou a decisão de Sartori em função do crescimento econômico que a subsidiária do banco vem computando, ano após ano. Atualmente, o braço de cartões do Banrisul atende uma fatia considerável do mercado de cartões no Rio Grande do Sul.