Adolescente que matou a mãe junto com namorado é encaminhada à Fase na metade Sul

Ambos devem ficar internados por, no máximo, três anos

A Polícia ainda espera detalhes finais para fechar o inquérito, mas não há dúvidas a respeito da materialidade do crime que envolve uma tragédia familiar em Pinheiro Machado, na metade Sul. Uma menina de 12 anos e o namorado, de 16, foram apreendidos, suspeitos de terem matado a mãe da garota, de 37, durante a semana.

A mulher teve o corpo encontrado em uma cova improvisada, no fundo do quintal de casa, no dia seguinte à morte. O crime ocorreu no fim da tarde de quinta-feira. O caso veio à tona na sexta, quando o jovem de 16 contou o caso a um familiar. O parente acionou a Brigada Militar. Os jovens foram encaminhados à Fundação de Atendimento Sócio Educativa (Fase), neste fim de semana.

Ambos confessaram o crime, conforme o delegado regional Luís Eduardo Sandim Benites. A dupla afirmou que a mãe e o namorado da filha tiveram um desentendimento antes do assassinato porque a vítima era contra o relacionamento do casal. “Eles foram apreendidos em flagrante. A materialidade do crime está resolvida. Daqui para a frente o que falta são detalhes e elementos periciais, com prazo de dez dias para conclusão”, ressalta.

Em depoimento, o rapaz informou que a mulher tentou agredi-lo com um facão e que a adolescente reagiu com um martelo. A perícia, porém, mostra indícios de crime premeditado. De acordo com o exame, há sinais de que a vítima foi agredida na própria cama, o que colide com a tese de suposta discussão na cozinha.

De acordo com Benites, a irmã da adolescente, uma menina de seis anos, presenciou a situação. A criança ainda não foi ouvida porque não há sala especial em Pinheiro Machado. A menor está com o pai, que é agricultor e havia saído para trabalhar.

A adolescente de 12 anos foi encaminhada para a unidade feminina da Fase de Porto Alegre e o namorado, de 16, levado para unidade de Pelotas. Os jovens vão responder pelos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Como se trata de medida socioeducativa, ambos poderão ficar presos por, no máximo, três anos.