Próxima Bienal do Mercosul elege a mulher como tema

Fundação Bienal vai selecionar curadora para eleger as obras e artistas da edição de 2020

Após uma edição com profusão de artistas negros e provenientes de países africanos, o tema da 12ª edição da Bienal do Mercosul vai ser a mulher. A curadora da mostra, que ocorre no primeiro semestre de 2020, ainda não teve nome definido.

De acordo com o presidente da Bienal, Gilberto Schwartsmann, um estudo sobre a desigualdade de oportunidades para mulheres e negros no Brasil, em comparação aos homens brancos, divulgado em setembro de 2017, pela ONG Oxfam, inspirou a Fundação Bienal e foi determinante para que a mulher seja o foco da próxima edição.

A curadora vai ter total liberdade para selecionar os artistas, assim como já ocorreu nas edições anteriores. A proposta é manter a busca por artistas de vários continentes, extrapolando a América Latina, como evidenciou a mostra deste ano.

A Bienal deve ocorrer no primeiro semestre de 2020, voltando à mesma periodicidade habitual. A última edição, que era prevista para 2017, de acordo com o calendário original, ocorreu em 2018, com tempo menor de duração.

Entre os dias 6 de abril e 3 de junho, a organização da mostra registrou 626,3 mil visitas de público do Brasil e do exterior nos espaços da Bienal. Com o tema “O Triângulo do Atlântico”, o evento contou com 70 artistas e coletivos artísticos, de três continentes, além de residências em comunidades quilombolas das cidades de Porto Alegre e Pelotas.