BM lança nesta sexta edital para contratar 800 PMs temporários

Total de servidores nessa situação deve chegar a 1,8 mil na Segurança Pública do RS

Foto: Éverton Ubal/PM5

O governo estadual lança, nesta sexta-feira, um edital para contratar 800 novos Policiais Militares Temporários para o Rio Grande do Sul. As inscrições podem ser feitas de graça, entre amanhã e segunda-feira, através do site da Brigada Militar. Devem ser contratados os candidatos selecionados e aprovados em um curso de formação específico.

Para participar do processo seletivo, o interessado deve ter concluído o serviço militar obrigatório das Forças Armadas até cinco anos antes da data de abertura das inscrições; ter sido licenciado, no mínimo, no comportamento Bom e não ter sido punido pela prática de falta grave pelo regulamento disciplinar da Força a que servia, comprovado mediante certidão.

Os PMs Temporários devem executar serviços internos, atividades administrativas e videomonitoramento, e, ainda, mediante convênio, a guarda externa de estabelecimentos penais e de prédios do Poder Executivo.

Durante o curso de formação, o soldado deve receber mensalmente um salário mínimo regional. No primeiro ano após o curso de formação, o aprovado recebe 75% do vencimento bruto inicial do soldado de carreira. No segundo e terceiro ano, recebe 80%.

Estado deve chamar mais mil servidores temporários para a Segurança

Pela primeira vez na gestão atual, o governo autorizou o chamamento de servidores aposentados e egressos das forças armadas para atuarem como temporários nos órgãos da Segurança Pública. No total, 1.804 novos servidores devem reforçar as forças policiais, com destaque para a Brigada Militar.

A ação foi possível por conta de um pacote aprovado em janeiro pela Assembleia Legislativa, no qual um dos projetos trata da contratação de militares estaduais temporários e reaproveitamento de aposentados da corporação.

Entre os servidores, 1,2 mil serão destinados à Brigada Militar, 150 ao Corpo de Bombeiros Militar e 174 para as áreas de saúde da BM. Além disso, entre os aposentados, 80 vão atuar na Polícia Civil, 150 na Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e 50 no Instituto Geral de Perícias (IGP).

As atividades podem ser desenvolvidas por até dois anos, podendo ser prorrogadas no máximo uma vez pelo mesmo período. O governo não divulgou os municípios onde os convocados vão trabalhar.