Indústria leiteira diz que 32 milhões de litros foram perdidos com greve

Foto: Guilherme Testa

A cadeia leiteira já perdeu 32 milhões de litros de leite cru entre a quinta-feira e este domingo, segundo Sindicato da Indústria de Laticínios do Estado RS (Sindilat). O produto está sendo jogado fora pelos produtores por incapacidade de entrega para a indústria por conta da greve dos caminhoneiros. O cenário é de calamidade, conforme a entidade. O prejuízo já chega a R$ 40 milhões e deve aumentar nos próximos dias.

Em nota, o sindicato diz que a cadeia dos laticínios precisa de auxílio com urgência devido aos danos, em especial, aos agricultores e consumidores. Faltam embalagens e outros produtos para manter a produção.

“Desabastecidas de insumos e embalagens, as indústrias precisam de auxílio para poder retomar a produção o mais breve possível e, só depois disso, voltar a captar leite na íntegra no campo. É inadmissível que o movimento grevista não se sensibilize com a realidade dos produtores de leite nem com o impacto ambiental que o descarte indevido dessa produção pode trazer”, diz texto da entidade sindical.

Na região de Ijuí e Cruz Alta, os grevistas estão liberando os caminhões, mas a flexibilização ocorre apenas na região Noroeste, onde está 20% da produção do RS, o que segundo o Sindilat é insuficiente para minimizar os prejuízos aos produtores e à indústria.

Na noite desse domingo, a Lactalis do Brasil, multinacional responsável por marcas como Parmalat, Elegê e Danone, informou que suspendeu a captação de leite em todo o país por conta do movimento grevista no setor de transporte de cargas. A companhia informou ainda que assim que a situação do transporte de cargas se normalize, “atuará com agilidade para que a captação seja integralmente restabelecida no menor tempo possível”.

Confira a nota da Lactalis aos produtores

Prezado Produtor,
A greve nacional dos caminhoneiros, iniciada essa semana, tem prejudicado não apenas a coleta de leite, mas também as atividades da indústria, devido à falta de abastecimento de insumos necessários para sua operação e a impossibilidade da retirada dos produtos acabados das fábricas, embora todo o esforço que temos realizado com essa finalidade.
Estamos nos esforçando ao máximo para retomar as atividades da fábrica, pois, assim como nossos produtores, temos um altíssimo prejuízo permanecendo com as atividades paralizadas.

Mesmo que os acessos para os caminhões de leite sejam permitidos próximos às nossas fábricas, continuamos impedidos de retirar os produtos acabados da fábrica, abrindo espaço para os novos produtos fabricados. Os caminhões vazios que deveriam vir carregar estão presos em vários pontos de bloqueio pelo Brasil e também não conseguem chegar aos clientes para fazer as entregas.

Nossos transportadores de leite não tem mais óleo diesel para fazer as rotas e não podemos garantir sua segurança. Não temos mais embalagens, produtos para limpeza das instalações, lenha, alimentação e transporte para os funcionários, entre outros insumos, para manter a fábrica em operação.

Portanto, é do nosso total interesse retomar o ritmo normal das atividades assim que possível, mas precisamos ter as condições necessárias para buscar o leite nas propriedades com segurança, chegar com os insumos necessários para a produção e sair com os produtos acabados com garantias que vão conseguir chegar ao destino em todos os estados do país.

Lamentamos o ocorrido e nos colocamos a disposição para esclarecimentos.
Contamos com a compreensão de todos.

Lactalis do Brasil