Ospa admite que sede no Parque da Harmonia está descartada

A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) terá em um mês uma sala sinfônica adequada para os ensaios e concertos no Centro Administrativo do Estado (CAFF). As reformas da primeira etapa do projeto entraram em estágio final nesta semana. Já o sonhado projeto de ter uma sede própria está distante da realidade e será completamente modificado.
Na prática, a sede no Parque da Harmonia, conforme o projeto original, será abandonada. Sem dinheiro para continuar a obra, o terreno localizado ao lado da Câmara de Vereadores, segue apenas com fundações e matagal, além de moradores em situação de rua.
A Fundação da Ospa, porém, espera que ainda seja possível reiniciar uma obra adaptada no local a partir de uma emenda parlamentar de R$ 23 milhões da bancada gaúcha no Congresso. Não há previsão de liberação desses recursos. Há sete anos o projeto total foi orçado em R$ 40 milhões. Esse montante não inclui os custos de manutenção do complexo, de acordo com o diretor artístico e maestro da Ospa, Evandro Matté.
No lugar do prédio-sede deverá ser construída uma concha acústica na área próxima ao Gasômetro. O Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) deverá realizar um concurso para selecionar uma nova proposta arquitetônica mais enxuta. “A estrutura, como foi concebida, não poderá ser mantida nem pela Fundação Ospa, nem pelo poder público. Em função disso, ainda contando com os recursos federais de emendas parlamentares, resolvemos investir na ideia do teatro aberto”, ressalta.
Já no Centro Administrativo, até o final do ano, deverá ser inaugurada a chamada “Casa da Música da Ospa”, tendo duas fases construtivas. A primeira etapa, a ser inaugurada em 24 de março, contempla a sala de concertos para 1,2 mil lugares, café e chapelaria. A segunda parte do projeto, que deverá ser iniciada em abril, terá salas de estudos para os músicos, recitais, eventos e um espaço específico para o Coro da Ospa.
Conforme Matté, o objetivo é finalizar as adequações da sala sinfônica no CAFF e adequar o Palacinho, espaço concedido pelo governo do Estado e funcionava como antigo Palácio do Vice-Governador. Localizado na avenida Cristóvão Colombo, a Escola Pablo Komlós e a administração da Fundação Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Fospa) serão transferidos para o Palacinho. A expectativa é de finalização das reformas até o final deste semestre.
Projeto de sede abandonado no Parque da Harmonia
A construção no terreno ao lado da Câmara de Vereadores de Porto Alegre começou em março de 2012, com previsão de entrega em 2014. Em 2013, foram concluídas as fundações, realizadas em duas etapas pelas empresas Serki e Epplan. As verbas foram captadas pela Fundação Pablo Komlós por meio da Lei Rouanet.
Para a fase referente ao prédio-sede, a bancada gaúcha no Congresso articulou uma emenda que garantiu R$ 23 milhões através do Ministério da Cultura. A administração da obra passou para a Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), à qual a Ospa está vinculada.
A vencedora da licitação da terceira fase, realizada em 2013, foi a Cisal Construções, que interrompeu os trabalhos no mesmo ano, alegando desajustes na fase das fundações. Depois de quase um ano de impasse, o governo do Estado rescindiu o contrato.