Vítima gaúcha de atropelamento coletivo recebe alta no Rio de Janeiro

O empresário autônomo Alex Faria Bitencourt, de 37 anos, uma das vítimas de atropelamento coletivo na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, teve alta hospitalar hoje. Ele mora em Gravataí com a esposa e os filhos, e passa as férias no Rio de Janeiro. A irmã, Aline Faria Bitencourt fazia parte do grupo que presenciou o carro desgovernado avançando sobre o calçadão e os pedestres. Alex teve fraturas em uma das pernas e vai ter de operar um tornozelo.
A família se deslocou a Copacabana para comprar lembrancinhas da cidade antes de embarcar de volta a Porto Alegre, na noite de ontem. Aline classifica o episódio como um filme de terror. “Quando vi a situação, vi carrinhos de bebê retorcidos, um senhor atirado no chão, um cenário de filme de terror. Vi meu irmão atirado no chão sangrando muito, minha cunhada desesperada e a dificuldade em chamar uma ambulância”, conta a professora.
Na tarde de hoje, a família seguia buscando o reagendamento da viagem de retorno para o Rio Grande do Sul. O incidente ocorreu na noite dessa quinta-feira, quando o condutor Antônio Anaquim avançou sobre o calçadão de Copacabana. Um bebê de oito meses morreu e 16 pessoas se feriram. Um turista australiano recebe atendimento em em estado grave. O delegado responsável pelo caso informou hoje que a principal linha de investigação é a de que o motorista tenha sofrido um possível ataque epilético.