Presidente do TST derruba suspensão de demissões em massa na Uniritter

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra Filho, derrubou a decisão liminar que suspendia a demissão de professores da Uniritter, em Porto Alegre. Em dezembro, a universidade anunciou o desligamento de 128 docentes. A decisão do magistrado. da última sexta-feira, anula as decisões anteriores, em primeiro e segundo graus, e a Uniritter pode dar continuidade às demissões.
O pedido de suspensão dos desligamentos havia sido encaminhado pelo Sindicato dos Professores do Ensino Privado no Rio Grande do Sul (Sinpro/RS) e aceito pela Justiça gaúcha. O presidente do tribunal contestou o argumento utilizado pelo sindicato para suspender as rescisões dos professores. A entidade sindical alega inconstitucionalidade do artigo da Reforma Trabalhista que autoriza as demissões coletivas sem negociação sindical.
Conforme o diretor do Sinpro, Amarildo Cemci, a decisão monocrática é contestável. O sindicato vai recorrer. “Ingressaremos com recurso e queremos que o Pleno do TST julgue o caso. Enquanto isso, mas manteremos a negociação com a empresa no sentido de elaborar um acordo coletivo e tentar mitigar os prejuízos”, sustenta.
Segundo Cemci, a Uniritter implementou um enxugamento de custos com a escolha de professores que tinham salários mais elevados para as comissões.